14/11 – REUNIÃO DO SETOR ADMINISTRATIVO

14/11 – REUNIÃO DO SETOR ADMINISTRATIVO

Nesta quinta-feira, 14, o Sindimetrô/RS estará mobilizando a sua base na luta contra a privatização da Trensurb. Desta vez, a reunião será no Prédio Administrativo da empresa. Contamos com a participação de todo o setor!

SINDIMETRÔ/RS PROTOCOLA PEDIDO DE IMPUGNAÇÃO DE EDITAL NO TCU

SINDIMETRÔ/RS PROTOCOLA PEDIDO DE IMPUGNAÇÃO DE EDITAL NO TCU

O presidente do Sindimetrô/RS e a Deputada Federal Fernanda Melchionna estiveram, nesta manhã, no Tribunal de Contas da União (TCU), em Brasília, para protocolar o processo que visa barrar o edital de contratação da empresa que irá realizar o estudo para a privatização da Trensurb. Essa é mais uma das ações que o sindicato vem desenvolvendo na luta pela manutenção da Trensurb estatal.

Metrô privado significa tarifa mais cara, mais lotação e menos segurança para usuários e funcionários.

Defenda o trem público! A Trensurb é do povo gaúcho!

image-3379

image-3380

SINDIMETRÔ/RS CONVOCA A BASE PARA A LUTA CONTRA A PRIVATIZAÇÃO

SINDIMETRÔ/RS CONVOCA A BASE PARA A LUTA CONTRA A PRIVATIZAÇÃO

A diretoria do Sindimetrô/RS esteve reunida com os metroviários do setor de manutenção na noite desta quinta-feira, 31. No encontro, foi apresentado o conjunto de ações que a entidade está realizando contra a privatização da Trensurb.

O objetivo é levar ao conhecimento de todos os metroviários e metroviárias a real situação da categoria no RS e no Brasil, e ouvir as sugestões para ampliação da luta. Além de convocá-los para as atividades de mobilização.

“Não vamos aceitar que tirem nossos empregos, o sustento das nossas famílias e a nossa dignidade. Não abrimos mão desta empresa pública e defendemos uma tarifa social”, disse Chagas.

O presidente do sindicato adiantou que os prefeitos e vereadores das cidades atendidas pelo trem serão procurados. “Não importa o partido, queremos que eles assumam o compromisso de defender a Trensurb estatal e sem aumentos abusivos da passagem”, destacou.

Os trabalhadores aprovaram uma campanha na mídia e redes sociais, além da distribuição de material explicativo aos usuários. A iniciativa visa esclarecer à população que o transporte é um direito constitucional e que o preço da tarifa aumentará muito caso a Trensurb seja privatizada.

image-3369

image-3370

image-3371

Nota da CSP-CONLUTAS sobre a declaração de Eduardo Bolsonaro sobre a edição de um novo AI-5

Nota da CSP-CONLUTAS sobre a declaração de Eduardo Bolsonaro sobre a edição de um novo AI-5

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro, afirmou em entrevista realizada em 30/10 que caso haja uma radicalização da esquerda tentando transformar o Brasil em um novo Chile, a resposta do governo pode ser via “um novo AI-5 “.

A Central Sindical e Popular CSP-Conlutas entende tal declaração como uma clara afronta ao povo brasileiro que fere profundamente a Constituição de 1988.

O AI-5 (Ato Institucional nº 5), foi um dos períodos mais sombrios de nossa história. Além de atacar profundamente as liberdades democráticas, a ditadura, com apoio dos grandes monopólios empresariais, criou um Estado de exceção que assassinou, prendeu, torturou e perseguiu milhares de pessoas comuns e ativistas, militantes políticos e sindicais, deixando um legado de 432 desaparecidos.

O governo de ultra direita de Bolsonaro, além dos direitos sociais e trabalhistas que vem arrancando da classe trabalhadora, tem atacado as liberdades democráticas – incluindo a anistia e a memória da luta da classe trabalhadora ao tentar instituir a comemoração do golpe de 1964 – e o direito de organização dos trabalhadores da cidade e do campo. Tem também estimulado o machismo, o racismo e a homofobia no ataque direto as mulheres, aos negros e aos LGBTs.

A CSP-Conlutas, em reunião da SEN (Secretaria Executiva Nacional), realizada nesta quinta-feira (31/10), repudia firmemente todos esses ataques e, em particular, a declaração do filho do presidente Bolsonaro. Diante disso, a Central conclama ampla unidade de ação que repudie tão ultrajante declaração. Não vamos nos calar nem nos intimidar!

  • Em defesa das liberdades democráticas!
  • Punição aos torturadores e às empresas que financiaram a ditadura!
  • Ditadura Nunca Mais! Para que não se esqueça para que nunca mais aconteça!
  • Investigação e apuração do assassinato de Marielli e Anderson. Exigimos saber quem são os mandantes!