ONYX VOLTA ATRÁS E ANUNCIA PRIVATIZAÇÃO DA TRENSURB PARA ESTE ANO

image-3082

Após declarar, em junho, que a Trensurb não seria privatizada nos próximos anos, o ministro da Casa Civil Onyx Lorenzoni voltou atrás nesta quarta-feira (21). O ministro mentiroso afirmou que a empresa está na relação de 17 estatais que serão vendidas ainda neste ano.

O anúncio, que é mais uma etapa do desmonte do Estado brasileiro praticado pelo governo Bolsonaro, será feito nesta quarta pelo ministro da Economia Paulo Guedes.

O Sindicato dos Metroviários vem denunciando há anos a intenção dos governos de vender a empresa. Se privatizada, a Trensurb irá parar nas mãos de empreiteiras envolvidas em corrupção e investigadas pela Lava Jato. As mesmas que já administram metrôs em São Paulo, no Rio de Janeiro e na Bahia.

Para satisfazer a ganância dos empresários, a tarifa deve atingir, no mínimo, o valor de R$ 7,30. O Sindimetrô/RS defende que o dinheiro público seja tratado com seriedade, não para encher o bolso de políticos e patrões. Nesse caso, quem paga a conta são os trabalhadores.

????Você sabia que os serviços com maior número de reclamações na Trensurb já são privatizados? Entre eles, a manutenção de trens, de escadas rolantes, elevadores e a limpeza e conservação de banheiros e estações. Privatizar não é a solução!

REUNIÃO DEBATE A SEGURANÇA METROVIÁRIA

Em encontro realizado na manhã desta sexta-feira (16), a diretoria do Sindimetrô/RS e representantes sindicais reuniram-se com a presidência da Trensurb para discutirem a segurança no sistema metroviário.

Estavam entre os pontos principais da pauta, a operação realizada nos dias de jogos de futebol e a preocupação com a integridade de usuários e funcionários.

A direção da empresa comprometeu-se a encaminhar soluções para os problemas apresentados pela categoria.

image-3075

image-3076

PROTESTO TOMA AS RUAS DE PORTO ALEGRE

Uma manifestação em defesa da educação e contra a reforma da Previdência reuniu, no final início da noite de terça-feira, 13, em Porto Alegre, estudantes e trabalhadores. Protestos ocorreram em todo o país. Na capital gaúcha, a mobilização começou com um ato público na Esquina Democrática, seguido de uma caminhada até o Campus Centro da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). O Sindimetrô/RS participou da atividade.

As falas durante o ato condenaram os ataques à educação, principalmente o corte de verbas das instituições federais, e a reforma da Previdência. O protesto deixou claro que a educação no Brasil não será tratada como mercadoria, e que trabalhadores e estudantes não aceitarão retrocessos no sistema educacional e nos direitos. Seguiremos nas ruas até derrotar esses projetos do governo Bolsonaro.

image-3070

image-3071

image-3072

CATEGORIA APROVA AJUDA DE SUBSISTÊNCIA AOS COLEGAS AFASTADOS

Reunidos em assembleia na tarde desta terça-feira, 13, os metroviários do Rio Grande do Sul aprovaram, por unanimidade, uma ajuda de subsistência aos seis colegas arbitrariamente afastados pela direção da Trensurb na greve geral realizada em junho deste ano.

A ajuda visa amenizar uma injustiça cometida pela empresa que, num ato político, julgou e condenou os colegas sem ao menos abrir um procedimento interno para apuração dos fatos. Em tempos de discurso de ódio, a aprovação do auxílio demonstra toda a força, unidade e solidariedade da categoria metroviária.

A assembleia também aprovou a realização de uma campanha com materiais específicos em defesa da reintegração imediata dos colegas e denunciando as arbitrariedades cometidas pela atual gestão da Trensurb.

image-3065

image-3066

image-3067

13/08 DIA NACIONAL DE LUTA

image-3062

A reforma da Previdência proposta pelo governo Bolsonaro encontra-se no Senado para votação em dois turnos.

Nesta terça-feira, 13, em todas as regiões do país, os trabalhadores sairão às ruas para dizer não à reforma. Em Porto Alegre, a concentração será na Esquina Democrática, às 18h.

Antes, às 16h, em frente ao Palácio Piratini, trabalhadores e estudantes estarão juntos com os servidores estaduais num ato público contra o atraso no pagamento e o congelamento de salários. São 44 meses com pagamentos atrasados ou parcelados.