Uma manifestação contra a reforma da previdência reuniu, no final da tarde desta quinta-feira, 14, no centro de Porto Alegre, uma grande quantidade de trabalhadores e trabalhadoras. Convocado pelas centrais sindicais, o protesto tomou conta da Esquina Democrática, um dos principais pontos de manifestações públicas da capital gaúcha.

As falas durante a atividade foram unânimes em afirmar que a reforma inviabilizará a aposentadoria dos trabalhadores e trabalhadoras. Foram duramente criticados os desvios de recursos da previdência social para outras áreas, através da DRU, e as isenções ficais concedidas aos grandes empresários.

A manifestação desta tarde foi o primeiro passo da mobilização contra a reforma. A continuidade da luta se dará com a assembleia popular marcada para o próximo dia 20, na Praça da Sé, em São Paulo. E, na continuidade, no 8 de março, dia de luta das mulheres, que deve superar em participação as atividades realizadas em 2017 e 2018.

Presentes em grande quantidade na manifestação, metroviários e metroviárias também demonstraram preocupação com a privatização da Trensurb. “Os metroviários e as metroviárias estão na linha de frente na luta travada contra a reforma da previdência, mas também estão lutando contra a intenção do governo federal de entregar a Trensurb para a iniciativa privada”, discursou o dirigente do Sindimetrô/RS Henrique Luis Frozza.

image-2813

image-2814

image-2815