Reunidos em Assembleia Geral, no início da tarde desta quinta-feira, 16, os metroviários e as metroviárias decidiram entrar em estado de greve. A decisão foi tomada após a empresa não avançar nas negociações do Acordo Coletivo de Trabalho 2019/2020 e solicitar a mediação do Tribunal Regional do Trabalho (TRT). O Sindimetrô/RS levará para o TRT a proposta de renovação do ACT por dois anos e a correção dos salários de acordo com a inflação. A primeira audiência será realizada na manhã desta sexta-feira, 17.

A categoria também aprovou a adesão à Greve Geral convocada pelas centrais sindicais para o dia 14 de junho. “A retirada de direitos, a reforma da Previdência e a privatização da Trensurb fazem parte do pacote de maldades do governo Bolsonaro, que, sabemos, não governa para os trabalhadores e trabalhadoras”, destacou o presidente do Sindimetrô/RS, Luis Henrique Chagas. Para o sindicalista, somente será possível derrotar todo esse projeto ocupando as ruas no dia 14 de junho.

image-2942

image-2943