Foi apresentado nesta quarta-feira (26), na sede do sindicato, um projeto voltado a discutir a saúde do trabalhador metroviário. Elaborado pela equipe do escritório Young Dias Lauxen & Lima – Advogados Associados, o projeto tem como objetivo monitorar previamente os locais de trabalho. Será criado, no sindicato, um Grupo de Trabalho (GT) que terá o papel de avaliar e relatar os fatos que afetam  à saúde dos trabalhadores e buscar melhorias no ambiente de trabalho..

O projeto a ser desenvolvido visa identificar os riscos à saúde no ambiente de trabalho, que podem ser biológicos, ergonômicos, físicos, químicos, mecânicos e ou acidentes, e que estão relacionados às características do posto de trabalho, às demandas e às condições ergonômicas.

Entre os desafios do projeto está a busca de conscientização do trabalhador sobre o valor do seu trabalho e da sua saúde. Neste contexto é preciso levar em consideração a responsabilidade e tomada de decisões, competências, maior variedade de atividades e a complexidade de tarefas.

Estudos indicam que 10% da população mundial sofre algum tipo de transtorno mental grave. Outro dado revelador aponta a LER/DORT como a terceira causa de concessão de benefícios, e também o estresse ocupacional, se não tratado, pode levar ao adoecimento físico e mental.

O encontro também abordou a legislação que possibilita o acesso ao auxílio-doença, ao auxílio-acidente e à aposentadoria por invalidez. A conclusão deu-se com uma palestra sobre o assédio moral nos locais de trabalho, um problema ainda invisível, mas que afeta muitos trabalhadores, principalmente pessoas entre 40 e 50 anos de idade, aqueles mais dedicados, os negros, as mulheres e os portadores de necessidades especiais.

1
image-1574

2
image-1575

5
image-1576