image-3671

O Sindicato dos Metroviários do Rio Grande do Sul firmou parceria com a Escola de Saúde da Unisinos para realizar o teste de diagnóstico para coronavírus em 100 metroviários, que trabalham na linha de frente do transporte. Na próxima terça-feira (05) será realizada a primeira leva da coleta de material, na sede do sindicato. O exame será o RT-PCR, denominado “padrão ouro”, pela precisão no diagnóstico para Covid-19.

A preocupação do Sindimetrô é com o contágio entre os metroviários, pois trabalham em contato direto com o público e com manipulação de dinheiro. O presidente do sindicato diz que a política de testagem é o que mais tem dado certo nos países que conseguiram controlar a doença e que foi uma reivindicação apresentada pela entidade e aprovada em assembleia geral da categoria.
“Diante da ausência de medidas de testagem por parte da empresa e do governo federal, o sindicato buscou a parceria com a universidade, demonstrando que é possível sim a realização de testes, só é preciso dar fomento à pesquisa e à ciência”, explicou Luís Henrique Chagas.

No dia 16 de março, o Sindimetrô-RS protocolou o primeiro de uma série de documentos solicitando medidas de prevenção aos trabalhadores e usuários. No entanto, ainda faltam EPI’s nos locais de trabalho. “O sindicato vem fazendo a sua parte no enfrentamento à Covid-19, mas a administração da Trensurb precisa fazer a dela também. Nossa preocupação é com a saúde dos metroviários”, disse a diretora de saúde e esportes, Keity Goulart.

Segundo análise do portal Covid-19 Brasil, que reúne cientistas e estudantes da USP, UNB e de outras instituições de pesquisa, o total de pessoas contaminadas no país pode passar de 1 milhão, devido à subnotificação. O Ministério da Saúde divulgou 71.886 casos confirmados na última terça-feira (28).

Apesar dessa tragédia anunciada, o governo Bolsonaro não dá sinais de que aumentará o número de testes, o que coloca o país na lista dos que menos fazem diagnóstico da doença no mundo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). O Sindimetrô-RS defende mais investimentos do governo federal no SUS e nos serviços públicos e a testagem de todos os trabalhadores das áreas essenciais.