TRENSURB AFRONTA USUÁRIOS COM NOVO TARIFAÇO | SindimetrôRS
28 fevereiro 2019
28 fevereiro 2019,
 0

image-2847

A Trensurb afronta os usuários ao aumentar o valor da passagem para R$ 4,20, majoração que se dá um ano após a tarifa ter passado de R$ 1,70 para R$ 3,30, absurdo aumento de 147%. Milhares de estudantes e trabalhadores que utilizam o trem para deslocamentos diários serão duramente afetados pelo aumento.

Para o Sindimetrô/RS, os desempregados da região metropolitana de Porto Alegre terão ainda mais dificuldades para conseguir uma nova colocação no mercado de trabalho, uma vez que faltarão recursos para o transporte. Segundo o IBGE divulgou na quarta-feira, 27, o desemprego subiu para 12% em janeiro e atinge 12,7 milhões de trabalhadores.

“Uma empresa pública não deve se pautar pela geração de lucro. Tem que prestar um serviço de qualidade e com preços acessíveis à população usuária”, afirma o presidente do Sindimetrô/RS Luis Henrique Chagas.

É, no mínimo, mal-intencionada a afirmação da empresa de que “os gastos com pessoal aumentaram com o prolongamento da linha até Novo Hamburgo”. A quantidade de funcionários não aumentou com as novas estações colocadas em operação. Ao contrário, o número tem caído ano após ano.

O Sindimetrô/RS entende que a Trensurb economizaria recursos se cortasse o exagerado número de cargos em comissão e de funções gratificadas, que oneram a empresa em mais de R$ 20 milhões por ano. Os CCs e FGs geram salários fora da realidade da maioria dos usuários e dos próprios funcionários da empresa. Além disso, os valores absurdos dos contratos de terceirização também oneram os cofres.

O sindicato avalia que o aumento tem como objetivo repassar, em breve, a empresa para a iniciativa privada. Não é segredo que o governo Federal tem a intenção de privatizar empresas de transporte. “Neste caso, as tarifas são aumentadas para que um futuro comprador assuma o controle com uma boa margem de lucro”, avalia Chagas.

O presidente do Sindimetrô/RS ainda lembra que o transporte é um direito constitucional, com os governos municipais, estaduais e federais tendo a obrigação de subsidiar a tarifa.

Foto: Repórter Popular

Categoria: Notícias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.