trem1
image-1430

trem2
image-1431

trem3
image-1432

Foi instalada na quarta-feira, 13, em ato no salão Júlio de Castilhos, na Assembleia Legislativa, a Frente Parlamentar em Defesa da Trensurb Pública e de Qualidade.  Proposta pelo deputado Juliano Roso (PcdoB), a iniciativa atende demanada do Sindicato dos Metroviários  do RS (Sindimetrô/RS).

O presidente do Sindimetrô/RS, Luis Henrique Chagas, disse que a categoria recebeu com preocupação as informações sobre possível privatização da empresa. “Já no ano passado, o ministro Kassab (Gilberto Kassab) anunciou a formação de um grupo de estudos visando à privatização de empresas metroviárias. E este grupo vem avançando no seu trabalho”, acrescentou. Chagas lembrou que são as empreiteiras envolvidas na Lava Jato que operam os trechos privatizados de metrô.

“Esperamos que a sociedade não aceite isso. É preciso que se mantenha a tarifa acessível e o bom trabalho prestado à sociedade. Ao contrário do que é pregado, o serviço privatizado não realiza um trabalho melhor que o público”, apontou o sindicalista.

“Esta data marcará um divisor de águas no Rio Grande do Sul, porque nós, neste momento, estamos dando um aviso forte na defesa da Trensurb, pública e de qualidade. Nossa mensagem é que não passará qualquer proposta que venha deturpar o atual caráter da Trensurb”, frisou Roso.

“Nos interessa que o sistema prossiga funcionando bem, prestando serviço de qualidade e com finalidade social. Estamos trabalhando intensamente neste sentido”, declarou o presidente da Trensurb, Humberto Kasper. Fazendo alusão à importância do Parlamento em dar vazão às preocupações da sociedade em relação ao futuro da empresa.

Já foi definida a data para a primeira reunião de trabalho, 3 de agosto, às 10h, na Assembleia Legislativa (em local a ser definido). Esse grupo de trabalho, aberto à participação, irá elaborar propostas de ações para garantir a manutenção da empresa pública. O grupo envolverá representantes de toda a região metropolitana, de universidades a organizações de trabalhadores e de estudantes.

Com informações da Agência de Notícias da AL-RS